sábado, 20 de agosto de 2011

Contraste


Sou das flores de abril,
que passeiam seu perfume pelo ar.
Sou da natureza pura e virgem,
que agracia sua beleza neste altar...

Sou da suavidade, suave...
Suave brisa que aquieta a tempestade.
Sou o céu azul a te alegar,
e também as nuvens nebulosas,
a contigo chorar...

Sou o céu, sou o inferno,
Sou barroca!

E o que posso fazer ?
Se consigo os teus lábios enfeitiçar...
a dizer balbúrdias, alucinações
prosas de amor e poesias de dor...

Sou o amor forte, vital!
Que faz teu sentido vibrar.
Sou o esplendor da luz a me guiar,
para meu passo nesta relva não afundar...

E, principalmente sou,
o braço amigo e amante....
a contigo ninar....


7 comentários:

  1. Suave e doce, penetrante...

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  2. Um poema lindo, belo. Adorei ler, trouxe-me imagens e encanto. Parabéns amiga!

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, amiga poetisa!Maravilhoso, lindo, forte e sensível.Notoriamente percebe-se que veio do fundo da sua alma apaixonada!
    Um excelente domingo, fique com Deus, e um beijo grande!

    OBS:JÁ ESTAVA COM MUITAS SAUDADES DA SUA POESIA, DEMOROU, PORÉM,LINDA FICOU!!!!!!!!!!!!!!!
    BJS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Hello! I liked this poem! Very beautiful!

    ResponderExcluir
  5. Amiga poetisa, boa tarde. A sensibilidade passeou pelos versos do seu poema e fez morada nele.
    Um beijo grande, excelente fim de semana, e fique com Deus!
    Obrigada por tudo!

    ResponderExcluir
  6. Eu voei na imaginação lendo seus versos... que imenso cenário!
    Um beijo carinhoso.

    ResponderExcluir