sábado, 25 de junho de 2011

Nem sei...


Doce olhar...
Vago, reticente...
Infinitamente sonhador.
Por vezes, sofredor...

Para quem olho?
Para o espelho?Para a lua?
Para o horizonte de uma louca melancolia.
Para as montanhas, caladas, juntas e tão sozinhas!

Meus versos tão imprecisos...
Não são métricos, nem decassílabos.
Longe da perfeição técnica do Parnasianismo.
São vagos, reticentes  e profundamente indecisos!

Tenho um "doi doi" no coração,
que se chama paixão.
Se essa rua fosse minha,
se chamaria solidão...

Quem dera mandar ladrilhar com brilhantes,
para ver meu amor passar.

Vê-lo passar,
com um buquê de encantos nas mãos,
a me pedir com sofreguidão,
carinho, amor e atenção...
E a me ofertar,
compreensão, amor, afeto e perdão...

Há tanto amor dentro de mim!
Tanto, tanto!
Que nem sei o que dele é feito...
De tão intenso, de tão acalourado!
De tão acolhedor!

É vago, é reticente, é doce...
sonhador e profundamente amante...
Impreciso, só...
Mas que tanto te quer compartilhar!
                           ( e contigo estar)


15 comentários:

  1. Uma bela poesia, intimista ao mesmo tempo transparente. Gostei muito!

    ResponderExcluir
  2. Ah... meu olhar anda vago também... que lindos e sentidos versos...
    Um bom fim de semana, querida.
    Um beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
  3. Beautiful poem...Have a wonderful week-end!

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo seu poema, parabéns.Beijos

    ResponderExcluir
  5. Belíssimo poema! bjs e ótima semana.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ana.

    Minha querida, sua poesia é maravilhosa!


    Grande abraço. :)

    ResponderExcluir
  7. Ana amada.
    Nas tua poesia encontro entrega, doçura, amor.
    E começar o dia nesse encanto é brilho de SOL.

    Beijinho.
    Fernanda

    ResponderExcluir
  8. ana,
    há direcções que se anunciam horizonte para uns e abismo para outros. é tão difícil, por vezes, discernir sobre qual o caminho que melhor cabe nos sapatos... nem sei... como bem dizes.
    um beijinho terno!

    ResponderExcluir
  9. Maravilhoso, amiga poetisa!Como você se desnuda sem se preocupar com absolutamente nada, a não ser com o amor, com as tristezas , e com a tamanha intensidade, que fico a imaginar as cenas de tão perfeitas!
    Ana, são curvas que estás fazendo, porém encontrarás o caminho certo da felicidade, que no momento se ausentou, porém voltará, assim como tudo de bom!
    Te adoro, amiga!Lindo!
    Fique com Deus, !Beijos!

    Obs:Que bom que voltou!!!!!!!!!!!!!!!!!!Estava MORRENDO DE SAUDADES!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. PS: ah não se preocupe, eu não estou triste não. Escrevo estados de espírito, crio um ente poético, ao invés do eu lírico. Como diz um poeta que amo e admiro muito, Fernando Pessoa: " o poeta é um fingidor, finge tão completamente que finge sentir dor, a dor que deveras sente"...
    E mais ou menos neste sentido! :)

    Beijos querida e fica com Deus

    ResponderExcluir
  11. Ana, amiga, boa tarde! Obrigada pelo seu comentário carinhoso.Que bom que não estás triste, porém se estivesse, faz parte da vida.
    Eu costumo escrever o que eu estou vivendo ou não.
    Os meus poemas geralmente, descrevem o que eu estou sentindo no momento, seja triste ou alegre,choro ou riso.Eu sou assim.
    Eu sou suspeita para falar de você, pois amo tudo o que escreves, e sabes disso!!!!!!!!!!!!!
    Excelente quarta-feira para você, querida poetisa da alma tão sensível!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  12. Ana,

    O meu BeijO... e saudades!!!
    AL

    ResponderExcluir
  13. Que doce e triste, Ana! Mas de uma beleza só concebida por quem conhece o amor.
    Bjo e paz, querida.

    ResponderExcluir
  14. Ana,
    Tocante, muito tocante...!

    Beijo :)

    ResponderExcluir